Que eu sou fã da Disney, e em especial da Pixar, você já deve saber.

Hoje quero trazer a ti um insight que tive com o filme Ratatouille. (aviso: contém spoilers mínimos)

Ratatouille conta a história de um ratinho Chef chamado Remy, que é único em sua genialidade e audaz em seus pratos.

Existe o antagonista do filme, chamado Anton Ego (os caras são bons, fala sério?) que é famoso por dilacerar restaurantes em suas críticas.

No fim do filme....

spoiler

spoiler

sai daqui logo senão tem spoiler....

tá.... eu avisei 😒

O clímax do filme acontece quando Remy cozinha um prato que derrete a rigidez de Anton Ego, e faz o restaurante ficar famoso.

No fim do filme, quando descobrem que é o ratinho Remy o chef do restaurante, a vigilância sanitária fecha o local.

"Como pode? Um rato Chef??? É um absurdo!!"

...

..

Qual é a alternativa para Remy? Ele e os personagens do filme resolvem abrir um pequenino bistrô.

Longe das críticas egóicas,

longe do lugar comum da sociedade,

longe de querer fama e riqueza e abrir várias unidades.

longe de querer crescer e crescer e ter que servir várias mesas e agradar a todos.

Para mim, o bistrô representa o modo como gosto de fluir meus negócios e minhas atividades pelo mundo:

longe do olho deturpado da mídia, e sempre de volta ao simples, de volta à essência, àquilo que nutre de verdade e faz dos dias belos e cheios de tesão.

Longe de querer agradar egos e críticos e saciar todo mundo.

O bistrô está longe de ser alvo do "Anton Ego".

O bistrô também está longe de ser algo "pobre". Você pode servir poucos pratos, com um alto valor agregado e cobrar um valor justo.

...

E você? Como tem levado sua vida?

Quer crescer para agradar aos outros e criar fama e riqueza, ou quer simplesmente se agradar?

Curtir a si mesmo(a) como deveria? Fazer algo pela essência da beleza de servir?

A terça pé no chão de hoje é um convite para você ajustar o seu foco e pensamento, de volta ao simples.

Delicie-se, e tenha uma semana mágica 🧙‍♀️.